Casa Petrini – um incrível hotel-boutique em Mendoza

Viajei para Mendoza em setembro, já no final do inverno. Fazia frio, mas um sol límpido surgia todos os dias, e a aridez do lugar me dava a sensação boa de uma terra abandonada aos pés da cordilheira. Um devaneio perfeito de escapismo, entrincheirado de pedras e rotas vinícolas. Permita-me dizer, caro leitor, mas Mendoza é incrível! Uma cidade-deserto onde se vê ao longe a neve eterna. Lugar perfeito para quem gosta de vinhos, boa carne e uma vastidão de terras e tranquilidade.

Por isso, quando falo de Mendoza, mais do que da cidade em si, que achei bem agradável, diga-se, estou a falar da Província, que é gigantesca e se estende por paisagens áridas, como Luján de Cuyo e Tupungato. Só mesmo o vinho, uma bebida feita para resistir ao tempo, poderia se enraizar numa região daquelas. Ali perto está uma das maiores montanhas do mundo, o pico Aconcágua, com seus 6.959 metros de altitude, enquanto que ao pé da montanha, retorcidos galhos de malbec crescem soberbamente.

Parreiras da vinícola Petrini. Sempre assim, deserta, eis um lugar incrível para fotografar.

Todo esse prólogo foi para dizer que a Casa Petrini, o hotel-boutique onde nos hospedamos em Mendoza, está situada neste lugar meio perdido chamado Tupungato. Do Google Maps, quase não se vê a Casa Petrini, formada por modernas cabanas de luxo – módulos – num total de apenas 8 acomodações, que recebem o nome de pedras, fazendo referência às rochas nativas do lugar, a exemplo de basalto, granito, andesita etc.

Acredite, este hotel-boutique, que tem sua própria vinícola, é o lugar perfeito para passar dias que ficarão na memória, pois conjuga bem o conforto da cidade (tem wi-fi rs) e o rústico do campo num só lugar. É tranquilo, bucólico, ótimo para casais que querem marcar o momento nas grandes comemorações. No meu caso, foi a comemoração de 1 ano de casado. Suas cabanas modernas, bem mobiliadas e equipadas, são um convite ao descanso e ao relaxamento.

O restaurante

Mas, o melhor da Casa Petrini é o seu restaurante, que oferece ao hóspede uma gastronomia de primeira, com produtos da região, como vinhos e azeites. Com menu à la carte e pratos preparados nos mínimos detalhes, considere almoçar e jantar pelo menos uma vez e não vai se arrepender. As opções são poucas, mas as combinações e harmonizações eram perfeitas.

A Casa Petrini produz ótimos vinhos! Vale a pena experimentar alguns rótulos, pois são oriundos de um terroir rochoso de pedras vulcânicas.
Entradinhas… vale a pena almoçar, jantar…
O café da manhã… feito sob medida. Tudo fresco e num pequeno menu, mas com bastante flexibilidade para pedidos adicionais

Além disso, este charmoso hotel-boutique, localizado no Vale do Uco, está bem próximo de outras importantes vinícolas, como Bodega Andeluna e Domaine Bousquet, ambas visitadas por nós e que eu super indico. A Casa Petrini possui também bikes à disposição dos hóspedes, e vale rodar um pouco pela região e voltar para um banho na piscina do hotel, se for verão, é claro.

Todos os caminhos levam a:

Casa Petrini (clique AQUI e faça a sua reserva, assim você nos ajuda a manter o blog) )

Onde: Ruta 89 Km 11, M5561 Villa Tupungato, Mendoza, Argentina

Quanto: o valor da diária de cada cabana/módulo p/ duas pessoas, já incluso o café da manhã, custa em média 1.200 reais.

Um mineiro que gosta de histórias, e acha que escrever e ler é o melhor passatempo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *