Covent Garden, em Londres

Estes dias terminei de ler Our Mutual Friend, último livro completo de Charles Dickens. Uma das passagens do livro ocorre no bairro de Covent Garden, em Londres. É noite e os tons dados por Dickens à passagem em questão, protagonizada pela minha personagem favorita do livro, Miss Jenny Wren, e seu pai alcoólatra, são sombrios e pouco amigáveis. O que eu trago aqui sobre o meu bairro preferido de Londres vem em tons muito mais brandos.

Convent Garden

Covent Garden é um dos bairros centrais mais charmosos e interessantes de Londres, com muitos teatros, pubs e comércio diversificado. Nele fica a maior livraria de viagem do mundo, a Stanfords, da qual já falamos aqui no blog e sobre a qual você pode ler NESTE LINK.

Depois de visitar a livraria, você pode dar um pulo no beco mais interessante do bairro, o Neal’s Yard. Basta seguir pela Long Acre até a Neal Street e dobrar à esquerda na Shorts Gardens. Você vai se deparar com dois barris no alto da entrada do bequinho. Ao cruzar o beco você dá de cara com prédios e comércios charmosos e super coloridos. Quase como cair em uma dimensão alternativa no centro de Londres.

Os barris na entrada do Neal’s Yard

Os barris na entrada do Neal’s Yard

e o beco multicolorido

e o beco multicolorido

Neal’s Yard

Neal’s Yard

Como o Covent Garden fica naquela região de Londres chamada West End, famosa pela grande quantidade de teatros (leia sobre os musicais do West End NESTE POST ), fica fácil entender que entretenimento é um forte na região. Teatros e pubs existem aos montes, como não podia deixar de ser.

Cambridge Theatre, onde rola o ótimo musical Matilda

Cambridge Theatre, onde rola o ótimo musical Matilda

Assisti ao musical Matilda por ali e o Cambridge Theatre, que abriga o musical, fica de frente a outro ícone do bairro chamado Seven Dials.

Seven Dials é um obelisco que fica numa rotatória para a qual convergem sete ruas. No topo do obelisco há seis relógios solares (sundials, em inglês), já que originalmente eram seis ruas convergindo para o local.

Seven Dials, em Convent Garden

Seven Dials

Atrás da Royal Opera House fica a estátua da Bailarina de Covent Garden. A estátua é um ícone do bairro. Quando estava passeando pelo Covent Garden Market, vi uma pintura com a bailarina e pesquisei onde ficava a estátua para fotografá-la.

A bela estátua da Bailarina de Convent Garden

A bela estátua da Bailarina de Covent Garden

Falando em Covent Garden Market, tá aí a parte que eu mais gosto do bairro.

Sempre há várias apresentações de rua no entorno e dentro do mercado que, para mim, é uma das partes mais legais do bairro. Vale passear entre as lojas e feirinhas do mercado e no entorno dele.

Interior do Convent Garden Market

Interior do Covent Garden Market

Para comer, boa pedida é o Shake Shack, rede nova iorquina de hambúrgueres que possui um restaurante ali dentro do Covent Garden Market. Você escolhe entre comer no espaço deles, com mesinhas, ou pegar seu burguer e ir comer em qualquer lugar dali enquanto vê alguma coisa interessante que certamente estará rolando por lá. Por ali comi meu cheese burger duplo assistindo a uma banda dançante de violinistas. 🙂

Estas dicas não são só pinceladas, que não chegam perto de cobrir, quanto mais esgotar, as possibilidades do bairro. Se quiser compartilhar coisas do bairro com a gente, fique à vontade para utilizar a caixa de comentários. 😉


Todos os caminhos levam a:

COVENT GARDEN

Como chegar: estação Covent Garden do metrô ou a estação Leicester Square. O bairro é bem central. Estando pela região da Leicester Square ou proximidades, dá pra ir a pé e descobrir um monte de coisa legal no caminho. 😉

Sou servidor público, paulistano e fã de Beatles. Viajar me dá motivos para escrever e escrever me dá desculpas para viajar. Tenho um calendário em casa e um na mesa do trabalho, no qual planejo feriados, férias e viagens.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *