O que fazer na Praça Vermelha, em Moscou

A Praça Vermelha é provavelmente a praça mais famosa de Moscou e de toda a Rússia. Junto com a Catedral de São Basílio, o complexo é provavelmente o maior ícone russo que surge no imaginário do turista e da pessoa que nem é muito ligada em viajar.

Catedral de São Basílio na Praça Vermelha
Catedral de São Basílio, na Praça Vermelha

A Praça Vermelha tem esse nome em virtude de uma palavra russa que possui duplo significado: краснаиа (pronuncia-se krasnáia), que pode significar tanto “vermelho” quanto “bonito”. É considerada a praça central de Moscou, concentrando o Kremlin, símbolo maior do governo russo, a Catedral de São Basílio, o Museu Histórico do Estado e a mega loja de departamentos GUM, descendente das antigas lojas de departamento estatais soviéticas. Por ali se encontra também o Mausoléu de Lenin.

Museu Histórico do Estado

Museu Histórico do Estado, na Praça vermelha
O belíssimo prédio do Museu Histórico do Estado

Chegamos à Praça Vermelha após caminhar à noite por avenidas de Moscou, no nosso primeiro dia na cidade. O impacto das construções é incrível. A primeira construção com a qual demos de cara foi a do Museu de História do Estado, um prédio incrível em seus tons avermelhados que pode sair ofuscado pela beleza da Catedral, mas nem por isso é indigno de nota e admiração

Você pode acessar o site do Museu Histórico do Estado neste link.

Praça Vermelha e Catedral de São Basílio

Logo em seguida, adentramos ao centro da Praça Vermelha, onde podíamos vislumbrar o prédio do GUM e a Catedral de São Basílio

Catedral de São Basílio na Praça Vermelha
Catedral de São Basílio

 A Praça Vermelha, além de linda e imponente, é absolutamente limpa: os tijolos lisos e escuros do chão passavam a impressão de não ter sequer grãos de poeira, quanto mais lixo ou sujeira de qualquer tipo. As luzes nos postes ao longo da praça iluminam os caminhos e os monumentos, dentre os quais a icônica catedral.


Sigam o Blog Todos os Caminhos nas redes:


A Catedral de São Basílio foi construída entre 1555 e 1561 e representa o ponto central de Moscou. Pesquisando para o post, descobri que o formato da catedral representa as chamas de uma fogueira subindo ao céu. Confesso que, olhando agora, faz bastante sentido. Eu não conseguia ligar o impressionante formato lúdico do monumento a nada em específico, limitando-me a admiração pura, simples e abstrata das formas e cores sem igual do edifício icônico.

Merecidamente, a catedral é Patrimônio Mundial da UNESCO.

Catedral de São Basílio na Praça Vermelha

Ficamos um longo tempo por ali, fazendo fotos e curtindo aquele monumento espantoso. Em seguida, fomos passear na GUM.

GUM

GUM, na Praça vermelha
Prédio da GUM

A loja de departamentos é um dos monumentos ali presentes que podem ser visitados sem pagar nada por isso, já que se trata de um shopping.

As galerias internas são interessantes, com várias lojas de grife e que rendem um passeio descompromissado. Afinal, é um shopping de luxo em um prédio histórico, lojas em modelo capitalista naquilo que antes eram lojas de departamento estatais.

Depois de passear pela GUM, voltamos para o nosso hostel e, dois dias depois voltamos ali, para passear pelos arredores do Kremlin.

Kremlin

Kremlin, na praça vermelha
Os muros do Kremlin

O Kremlin de Moscou é uma verdadeira fortaleza murada. Residência oficial do Presidente russo, guarda em seu interior várias igrejas e palácios.

As muralhas se entendem por uma longa distância em volta do complexo que é símbolo do poder em Moscou. O Kremlin, tal qual a Catedral de São Basílio, pode ser visitado.

Visitas

É na Praça Vermelha que está também o famoso Mausoléu de Lenin, que conta com visita gratuita, mas com um período curto de visitação: das 10 às 13. Quando chegamos lá, já havia passado a hora da visita. Além do mausoléu, como dito, o GUM é o único dos monumentos que pode ser visitado gratuitamente na Praça Vermelha. Para todos os outros, será necessário desembolsar rublos, o dinheiro russo. Não visitamos nenhum deles, mas deixo aqui alguns links de referência, para consulta. 

O Me Leva Viajar escreveu um post super completo sobre a Catedral de São Basílio, onde eles contam inclusive sobre a visita. Leia neste link.. Já o Siga Nossa Trilha tem um post bacana sobre como visitar o Kremlin, você pode ler aqui. No site do Museu Histórico Russo, neste link, há informações sobre visitas e preços. O site é russo, com opção em inglês, mas o navegador de internet já faz uma competente tradução para português.

Com a pandemia, vale dizer, esses monumentos se encontram temporariamente fechados.


Já conhece Moscou? Tem mais sugestões para essa lista? Deixa aqui embaixo nos comentários!

Sou servidor público, paulistano e fã de Beatles. Viajar me dá motivos para escrever e escrever me dá desculpas para viajar. Tenho um calendário em casa e um na mesa do trabalho, no qual planejo feriados, férias e viagens.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *