Roadtrip de Tupungato ao Parque Aconcágua

Além de bons vinhos, lindas bodegas e uma gastronomia soberba, uma viagem para Mendoza guarda ainda uma cereja do bolo a sua espera: Um passeio ao Monte Aconcágua, que fica atrás apenas do Monte Everest em altitude. Sim, estamos falando da segunda maior montanha do mundo, relativamente próximo de quem estiver visitando Mendoza (aproximadamente 180 Km). Mas, adianto, para visitar o parque onde está localizado o monte reserve um dia inteiro para o bate-volta.

Iniciamos o dia sabendo que teríamos muita estrada pelo chão. Partindo da Casa Petrini, o hotel em que nos hospedamos, haviam dois caminhos e uma decisão a tomar. Se escolhêssemos o caminho típico, teríamos que retornar até Agrelo e de lá pegar a ruta 7, que é o trajeto comum de quem parte da cidade de Mendoza. Por outro lado, havia uma outra estradinha, indicada pela atendente do hotel, que também cruzava com a ruta 7 mais à frente (em Potrerillos), mas era um caminho ermo, de chão de pedra, mas que prometia pela paisagem rústica aos pés da cordilheira. Após breve ponderar, decidimos pelo segundo caminho, pensando na cota de aventura e desbravamento do trajeto.

Vou ilustrar, pra não ficar muito abstrato. Abaixo, o caminho de retorno a Mendoza, para pegar a clássica ruta 7:

Mas não, porque facilitar se podemos dificultar? hehe. Então, nosso trajeto foi esse abaixo (tive que incluir o trecho intermediário Las Vegas, senão ele nunca traçava esta rota):

Mas, o que parecia ser um estranho caminho a se seguir, revelou-se a melhor decisão para conhecer um pouco mais do lado rural e pouco habitado desta parte de Mendoza.

A estrada era de chão, mas era boa. Sabe, aquilo é deserto e não chove muito por lá.
Olha eu ali, me sentindo o desbravador de terras distantes. Ao fundo, a Cordilheira dos Andes. Para trás, muita poeira levantada.

A beleza desse trecho da nossa Roadtrip é a vegetação do lugar, o mar sem fim de terras áridas, os animais pastando pelo caminho, e a paisagem quando se adentra um pouco mais nas regiões montanhosas. Mas, palavras… palavras, o que são palavras perto do que vimos?

Como a máquina nomeia a foto exatamente pelo dia e hora… era então 10h43 da manhã.
Só faltou enquadrar melhor, mas a pose das vaquinhas mereceu registro
Minha hermosa companheira… aos pés da Cordilheira.
No pequeno povoado de Las Vegas. Tudo calmo, tranquilo… só algumas fumacinhas saindo da chaminé. Não se engane, fazia muito frio, mesmo sob um sol ofuscante.

O trecho em estrada de chão dura aproximadamente 1h e 30 min. Mas é bem sossegado, dirigindo devagar, parando para tirar fotos… enfim, não vimos o tempo passar. Logo chegamos em Potrerillos e pegamos a Ruta 7, com vias largas, bem asfaltadas, caminhões ligando Mendoza-Santigo e as belas colorações desérticas ao longo da estrada. O GPS neste trecho não pegava bem, mas não era problema, pois a ruta 7 é uma estrada única que atravessa a cordilheira.

Seguindo pela Ruta 7, uma imensidão de terras, poucos carros e alguns caminhões pelo caminho. Não lembro de ter visto parada para abastecimento.

Monumento natural Puente del Inca

Localizado no povoado de mesmo nome, a Puente del Inca faz referência a uma ponte natural formada pela natureza sobre o rio Caves. Ao lado, um hotel que foi soterrado depois de uma avalanche ocorrida no mesmo lugar. As águas termais dessa região, rica em minerais, criam uma paisagem surreal de cores e de grande beleza. Toda a viagem já vale para poder ver de perto algo tão diferente. É o tipo de lugar que fotografias não dão conta de captar a beleza do lugar.

Puente del Inca, por foto, acredite, não dá pra ter a real dimensão da beleza desse lugar. Localizada a 2700 metros de altitude, as águas que correm por baixo da ponte é quente, embora não seja possível verificar, pois o território é delimitado e de acesso proibido. Depois da avalanche que soterrou o hotel, ficou apenas a capela pouco acima, o que não deixa de ser notório e interessante.
Ao lado da Puente del Inca, paisagem contrastante… incrível.
Feira de artesanato junto à Puente del Inca.

Parque Provincial Aconcágua

Objetivo final da nossa viagem, o Parque Provincial Aconcágua, fica pouco à frente da parada da Puente del Inca, e há uma tímida placa à direita que identifica a entrada do parque. Localizado dentro do parque está o Monte Aconcágua (6.961 metros de altitude), mas para se chegar lá não basta apenas seguir por uma trilha, é preciso aproximadamente 20 dias entre aclimatações e uma longa subida. O parque possui vários vários pontos interessantes, mas não dispúnhamos de tempo para percorrer a trilha mais leve. O jeito foi tirar algumas fotos, sentir o ar rarefeito e bem frio do lugar, e já empreender a viagem de retorno, já que planejávamos retornar inda de dia.

Entrada do Parque Provincial Aconcágua. Ao pé da montanha é possível tocar o gelo da neve derretida. A propósito, ACONCÁGUA, na língua quechua dos povos andinos significa “sentinela de Pedra”.
A trilha mais leve do Parque Aconcágua vai até Laguna Horcones e tem 2 Km de extensão.

Um mineiro que gosta de histórias, e acha que escrever e ler é o melhor passatempo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *