Viagens – muitas jornadas de um aprendizado contínuo

Nestes tempos de pandemia, quarentena e reclusão, fiz um balanço sobre que tipo de aprendizado eu pude assimilar das viagens que realizei de 2013 pra cá. O propósito deste post é compartilhar um pouco do que estas experiências me ensinaram. Não estou falando em termos teóricos, mas sim, de situações prática vivenciadas por mim. São perrengues, às vezes, e há coisas que são óbvias, eu sei, mas somente a prática me devolveu a convicção de que são importantes.

Aeroportos

  • No aeroporto, sempre consulte no painel em qual portão vai embarcar, mesmo que você esteja em grupo e uma das pessoas já tenha consultado. Certa vez, em 2013, no aeroporto de Heathrow, eu errei o portão de embarque, porque minha companheira de viagens tinha se confundido no painel, e não pensei em confirmar. Certo, fomos para o lugar errado naquele enorme aeroporto. Quando vimos, já não daria mais tempo, o vôo partiu e tivemos uma longa noite de acampamento no aeroporto.
  • Mesmo que na véspera de viagem, não deixe de pesquisar sobre possíveis exigências legais, como a obrigatoriedade de certas vacinas. Em 2017 eu comprei passagens para Cartagena de las índias, com uma conexão no Panamá. Eu pesquisei sobre a exigência de vacina contra a febre Amarela, mas em nenhum dos dois lugares era exigido. Surpresa minha foi descobrir, no check-in de embarque, que em menos de 15 dias o Panamá havia entrado para a lista de cidades que exigem que os estrangeiros tenham tomado a Vacina da Febre Amarela.
  • Está viajando em grupo? Certifique-se de que todos os integrantes tenham impressos os vouchers que demonstrem o hotel ou Airbnb em que vão se hospedar. Em 2018, fiz uma viagem em família para a cidade de Nova York, e na imigração simplesmente o guarda me separou do grupo. Sem os vouchers em mãos, seria um problema se eu precisasse comprovar de alguma forma o hotel em que eu ia me hospedar.

Hotéis

  • Muito cuidado em reservar hotéis locais pequenos ou B&Bs, pois nem sempre a foto condiz com o que vão oferecer a você. Fiz a reserva de um B&B na cidade de Siena, Itália, em 2017. Era uma ocasião especial, encontrei um B&B localizado bem no centro da Cidade, num antigo prédio histórico e com quartos incríveis. Mas, ao chegar ao local, nos hospedaram num quarto diferente. No dia seguinte, depois de muita reclamação, nos colocaram em outro quarto melhor, mas não exatamente aquele que havíamos reservado, pois já estava ocupado. Vale dizer que toda a argumentação para demonstrar que estávamos num quarto errado foi facilitada pelo voucher impresso com fotos do quarto correto.
  • Atenção em se hospedar nos hotéis próximos de aeroportos. Se os comentários e avaliações forem ruins, considere seriamente outra opção. Em 2019 tive uma péssima experiência num hotel próximo ao aeroporto de Filmicino, perto de Roma, Itália. Eu simplesmente deixei o poder da negação falar mais alto, e não levei muito a sério as péssimas avaliações. Depois disso, passei a levar os comentários dos hóspedes mais a sério.

Bagagens

  • Se estiver carregando produtos frágeis na mala, acredite, o pior tem grandes chances de acontecer. Você simplesmente não tem controle sobre aquilo que você não carrega. Foi assim que, em 2018, voltando de Mendoza, minha mala veio pela esteira vertendo um líquido roxo do mais puro malbec.
  • Se for levar livro em uma viagem, carregue o mais leve e pequeno possível. Há uma grande chance de você não ter energia para ler, e de nada servirá você carregar um livro que não vá ler, certo? Tive não uma, mas várias experiências de carregar livros que não foram lidos durante uma viagem.

Transportes

  • Na hora de imprimir os vouchers de uma passagem de trem, por exemplo, certifique-se de que o QR code esteja presente. Por meio deste código se dá a conferência. Certa vez, em 2015, apesar de planejar uma viagem nos mínimos detalhes, acabei imprimido a confirmação da compra do bilhete de uma viagem de trem Roma-Veneza. O estresse foi enorme ao perceber que eu não tinha o voucher com o QR code para a confirmação junto ao atendente. No fim, tudo terminou bem, mas fica a dica.
  • Não confie no agendamento que o calendário do google registra automaticamente quando você faz alguma reserva. Em recente viagem, sabendo que pegaria um trem no dia seguinte, saindo de Milão para Roma, e já bastante cansado pelo dia corrido, fui confirmar o horário de saída do trem. Estava fácil, ali, registrado automaticamente no google. Pensei, ótimo! nem me dei ao trabalho de procurar o voucher de confirmação. Pois é, perdi o trem e amarguei um enorme prejuízo. Não teve jeito. Por isso, nunca confie nos calendários automáticos.
  • Possui habilitação internacional e pretende alugar um carro em algum país da Europa? Não deixe de levar a sua carteira de habilitação nacional. Sim, você vai ouvir histórias para os dois lados. E eu já fui testado pelas duas vezes. A pouco tempo fui alugar um carro em Milão, e eu sabia que bastava a habilitação nacional, mas eis que a atendente exigiu a Carteira de habilitação internacional. Felizmente, eu tinha levado a minha, e tudo terminou bem. Em outro momento, em Malta, eu apresentei a minha habilitação internacional, e eis que a atendente exigiu que eu apresentasse a minha habilitação nacional. Parece não haver regras, e tudo depende do humor do atendente. Mas, já ouvi relatos que um casal que viajava por Portugal, e ao tentar alugar o carro haviam levado apenas a habilitação internacional. Não aceitaram, exigiram a habilitação nacional. Felizmente, a mulher, mais precavida, havia levado a dela, e acabou se tornando a motorista de toda a viagem. Por isso, tendo as duas habilitações, leve-as contigo. Se não possui a habilitação internacional, seja precavido e adquira uma.
  • Alugou um carro fora do seu país? Entenda bem qual é o combustível em que o veículo deve ser abastecido.  É preciso também saber como este combustível vai estar sinalizado na bomba de abastecimento. Como sabemos, na Europa a esmagadora maioria dos postos de gasolina não possuem frentista para abastecer o seu carro, como ocorre no Brasil. Isso costuma ser de conhecimento de quem pretende alugar um carro na Europa ou EUA. Mas, um fator importante é entender, primeiro, que combustível colocar no carro, informação que costuma ser fornecida pelo atendente da locadora ou estar sinalizada no contrato de locação. Mas outra questão tão importante quanto é saber como vai estar indicado na bomba o combustível.

Um mineiro que gosta de histórias, e acha que escrever e ler é o melhor passatempo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *