Visitando o Santuário de Nossa Senhora de Guadalupe no México

Em nossa viagem à Cidade do México, reservamos uma manhã para visitar o Santuário de Nossa Senhora de Guadalupe, padroeira do México e das Américas, distante uns 25 minutos de carro do Centro Histórico. Trata-se de uma das grandes atrações da capital mexicana, sendo você católico ou não, pelo valor cultural, histórico e religioso que possui. Nas linhas abaixo pretendo contar um pouco da minha experiência, percepção e detalhes que envolvem o culto à Virgem de Guadalupe.

À frente, a Grande Basílica de Nossa Senhora de Guadalupe, em formato, permita-me a comparação, ao de um grande sombrero (chapéu mexicano de abas largas).
Interior da Basílica

Visitamos o Santuário de Nossa Senhora de Guadalupe numa terça-feira, partindo do Centro Histórico no Turibus (para saber mais sobre o ônibus turístico da Cidade do México clique AQUI), no circuito basílica, que tem parada bem em frente à entrada do Santuário. Dali pra frente fomos andando e conhecendo o grande complexo religioso, que podemos até comparar com o de Nossa Senhora de Aparecida.

Vale dizer, não há cobrança na entrada e em nenhum dos vários templos localizados dentro do complexo. Fomos num dia comum, havia um bom movimento de pessoas, mas pelas dimensões do lugar, tudo parecia bem tranquilo.

A história e os detalhes

O manto sagrado de Nossa Senhora de Guadalupe, isto é, a Tilma onde ficou gravada a imagem de Nossa Senhora, com feições indígenas, quando aberta diante do bispo da região

A devoção a Nossa Senhora de Guadalupe origina-se das aparições da virgem Maria ao índio Juan Diego exatamente onde hoje se localiza o santuário, no distante ano de 1531. Maria ordenou ao índio que se apresentasse ao Bispo da região, pedindo que uma igreja fosse construída naquela colina, e que no caminho colhesse algumas flores e as levasse em sua tilma (tecido usado pelos indígenas) para ser aberta diante do bispo da Região. Assim fez o índio, porém, ao abrir o manto diante do bispo a imagem de Nossa Senhora ficou gravada no manto. Mas, o curioso e singular foi sendo descoberto aos poucos.

  • A imagem sobre o manto não é uma pintura, não possui pinceladas, e é como se tivesse sido impressa ao mesmo tempo. Após muitos estudos, cientistas e peritos em fotografia chegaram à conclusão de que a imagem ‘paira’ sobre o manto, está suspensa sobre ele. O manto, como se sabe, é de péssima qualidade (feito de fibras de cacto), de forma que ao longo desses quase 500 anos, não apenas continua inteiro como, mantem forte sua coloração;
  • As 46 estrelas presentes no manto formam exatamente as constelações vistas no céu no dia da primeira aparição, em 12 de dezembro de 1531;
  • Dentro dos olhos da imagem da virgem, de forma ampliada, está gravado em detalhes o momento em que o índio mostra o manto ao bispo, como uma fotografia. Ampliada 2500 vezes, o oftalmologista dr. José Alte Tonsmann identificou até 13 pessoas em ambos os olhos, com proporções diferentes, tal como refletida por um olho humano;
  • Em 1979, o biofísico dr. Phillip Callahan, da Universidade da Flórida, observou que o manto possui uma temperatura que varia entre 36,6 a 37ºC, como a temperatura de um corpo humano vivo;

O manto de Nossa Senhora de Guadalupe fica exatamente atrás do altar da Basílica, com uma esteira-rolante para que os fiéis possam ver a imagem. É realmente um momento único da visita, sendo permitido tirar fotos (sem flash) e ter essa recordação, como as fotos que compartilho com vocês neste post.

Neste grande complexo religioso, além da grande basílica, na Plaza Mariana, existe também o Templo Expiatório da Cristo Rei, antiga igreja com traços barrocos, onde é possível perceber a inclinação das paredes dada a sedição do terreno.

Outro ponto que vale a pena visitar é o Mirante da Basílica de Guadalupe, localizado no alto da colina de Tepeyac, que permite uma bela vista de todo o santuário.

Foto do mirante de parte do Santuário de Nossa Senhora de Guadalupe

Todos os caminhos levam a:

Santuário de Nossa Senhora de Guadalupe

Onde: Fray Juan de Zumárraga No. 2, Villa Gustavo A. Madero – CDMX, México

Quando: A Basílica de Nossa Senhora de Guadalupe está aberta, de segunda a domingo, das 5h50 às 21h

Quanto: gratuito

Um mineiro que gosta de histórias, e acha que escrever e ler é o melhor passatempo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *