A beleza artística e histórica do Paseo de la Reforma na Cidade do México

 

Comecei minhas andanças pela Cidade do México (CDMX) percorrendo a principal avenida da cidade – o Paseo de la Reforma. Chegamos no fim de tarde de um domingo, e como ficamos hospedados no bairro da Zona Rosa, fizemos o percurso ao longo do Paseo em direção ao Palácio de Bellas Artes, que fica no centro histórico da cidade. No trajeto, muitos monumentos patrióticos, várias obras de arte e esculturas de figuras ilustres, tudo permeado por muitas árvores e altos edifícios. Foi a primeira impressão da Cidade do México e ela não poderia ser melhor.

Paseo de la Reforma

Paseo de la Reforma, olá México!

O Paseo de la Reforma é uma longa avenida de 12 Km de extensão que atravessa a região central da Cidade. É uma boa metáfora da cultura mexicana, que mescla o antigo com o moderno numa versão over (exuberante, exagerada) de como devem ser as coisas.

Para saber um pouco mais sobre o México, sua cultura e história, indico o livro “Mexicanos”, de Sérgio Florêncio. Temos um post falando sobre este livro AQUI.

Historicamente, o Paseo nasceu das reformas modernizadoras empreendidas na década de 1850 pelo então presidente Benito Juárez. De lá pra cá a avenida foi se tornando um corredor artístico (não estou a exagerar), na perfeita demonstração de que esta seja um cartão de visita da cidade. Ao final, já antecipando o que vem adiante, penso eu que o cartão é belo, agradável, atrativo, provocando em mim o desejo de retorno a este lugar.

Paseo de la Reforma

Segurança? Antes de tudo, nos sentimos mais seguros nas regiões centrais da cidade do que se estivéssemos em seu equivalente na cidade de São Paulo. Particularmente, a região histórica da cidade do México é mais frequentada pela população e tem menos moradores de rua. Acho que isso ajuda na percepção de que seja um lugar mais seguro.

Ao longo do Paseo de la Reforma, o que ver:

Estela de Luz e Torre Mayor

Paseo de la Reforma

A “Estela de Luz” é um monumento comemorativo do bicentenário da Revolução e Independência mexicana. De beleza duvidosa, o diferente da Torre é poder vê-la acesa com milhares de leds ao longo dos 104 metros de altura. A Estela de luz está localizada bem na entrada do Bosque de Chapultepec.

Do outro lado da rua, temos a “Torre Mayor”, edifício mais alto da Cidade do México, com pouco mais de 225 metros e 55 andares. É um prédio de escritórios, e o México, amante que é do grande, não poderia deixar de ter o seu arranha-céu.

Fuente de la Diana Cazadora

Paseo de la Reforma

Inaugurada em 1942, a “Fuente de la Diana Cazadora” possui o nome verdadeiro de “La Flechadora de las Estrellas del Norte”, sendo uma bela escultura da deusa caçadora Diana, obra do artista Juan Olaguíbel. O artista, para conceber sua obra, teve como modelo Helvia Martinez Verdayes, que posou nua para a inspiração das formas e contornos. Sem dúvida, uma das belas esculturas em CDMX que vale a pena fotografar e admirar por longos minutos.

El Ángel de la Independencia

Paseo de la Reforma

El Ángel, como também é conhecido, é um icônico monumento erigido em comemoração ao centenário da Revolução Mexicana. Apoiado em uma coluna, a escultura de um anjo dourado apontada para o horizonte do Paseo de la Reforma. A base, transformada em mauoléu, guarda importantes figuras da guerra de independência, como o Pe. Miguel Hidalgo, que foi peça singular nos ideais da revolução. Trata-se de outro monumento de belíssimo valor artístico e cheio de simbolismo. O México, assim como o Brasil, está sempre a falar de outras independências.

Dica: Esta enorme rotatória, onde fica este majestoso monumento, é uma das paradas do turibus (ônibus turístico da CDMX).

Glorieta de la Palma e a Bolsa de Valores Mexicana

Paseo de la Reforma

Mais adiante temos a rotatória “Glorieta de la Palma” (palmeira), que tem uma alta e bela palmeira em seu centro. Trata-se de uma palmeira com quase 100 anos de vida (o primeiro registro da palmeira data de 1920). Ao seu redor, muitas palmeirinhas filhotes dão o contorno à frente de imponentes edifícios, entre os quais se destaca a Bolsa de Valores Mexicana.

Monumento a Cuauhtémoc

Paseo de la Reforma

À frente, seguindo pelo Paseo, temos o monumento a Cuauhtémoc, último imperador asteca (o mais correto é dizer mexica) e que foi o sucessor de Montezuma II.Cuauhtémoc é o primeiro grande herói mexicano, pois mesmo depois de capturado e torturado não teria revelado o local do tesouro asteca. Lamentavelmente a base do monumento estava com algumas pixações que tiram um pouco da beleza do lugar.

A alguns poucos metros, ao lado da Plaza Luis Pasteur, temos o edifício do Senado da República, que possui um belo relevo do brasão sobre a alva parede do edifício.

Monumento a Colón

Paseo de la Reforma

Trata-se de um monumento ao navegante Cristovão Colombo, reconhecido como descobridor das Américas. A estátua, de estilo neoclássico, está assentada sobre um pilar de bases largas. Se observarmos de cima através do google maps, o jardim em volta tem o sugestiva forma de um barco. Será essa a mensagem que quiseram passar? Seja como for, o Paseo de la Reforma é um corredor histórico cheio de detalhes a descobrir.

Fuente de la República e El Caballito

Paseo de la Reforma

E por fim, embora não seja exatamente o fim, porque a avenida continua ainda com muitos quarteirões à frente, mas na rotatória seguinte, temos a Fuente de la República, com seus 20 metros de diâmetro de 700 jatos de água, visam recordar o passado aquático de
Tenochtitlán (toda a área da Cidade do México era um enorme lago na época do Império Asteca). É uma fonte iluminada todos os dias às 21h.

Ao lado, temos El Caballito, do escultor Enrique Carbajal, que apresenta um cavalo em linhas abstratas. Cria-se um belo contraste da escultura diante da torre homônima de vidros escuros, o que me faz lembrar sempre que o México é contraste, ilusão, magia.

Um mineiro que gosta de histórias, e acha que escrever e ler é o melhor passatempo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *