Andando por Ciudad Vieja em Montevidéu

 

Ao visitar Montevidéu, além de passear pelo enorme calçadão da Rambla ou de conhecer as vinícolas da região (post sobre Bodega Bouza e Juanicó clique aqui), um programa legal é andar por Ciudad Vieja, antigo centro da cidade.

Ciudad Vieja compreende um bairro que até 1829 era rodeada por uma muralha contra possíveis invasores. Os muros caíram, mas um resquício destes tempos que ainda permanece intacto é a Puerta de la ciudadela, que é onde começa nosso passeio por esta região.

Ciudad Vieja

Puerta de la Ciudadela: de um lado, moldura para a Plaza Independencia, de outro, início de nossa caminhada

A Puerta de la Ciudadela, ao lado da Plaza independencia, foi construída em 1742 e está de frente à peatonal Sarandí, um calçadão restrito a pedestre e que é um ótimo caminho para iniciar o percurso por Ciudad Vieja. Antes, porém, ao lado Direito é possível ver o Teatro Solís. Mesmo que você não vá visitar as instalações do teatro em si, como foi o nosso caso, fizemos uma parada no Allegro Café que existe logo na entrada do teatro. O café Lavazza com um bolo de nozes e castanhas nos surpreendeu de tão bom que estava.

Ciudad Vieja

Allegro Café, dentro do Teatro Solís, uma ótima opção para um café

Mas seguimos pela Via Sarandí, bastante alegre e com outros turistas também. Era Domingo na parte da manhã e tínhamos lido que na parte da tarde o lugar fica meio deserto, tornando-se não muito seguro. Então fica a dica: se for domingo, concentre o passeio na parte da manhã.

Ciudad Vieja

Peatonal Sarandí

Fizemos uma parada breve na livraria <libréria mas puro verso> no começo da Sarandí. Nela há um belo vitral onde está escrito “Veritas filia mendacii est“, Ou seja, em livre tradução, << a verdade é filha da mentira>>. Sei não, isso gera boa discussões. Olhei alguns livros procurando por escritores locais e depois voltamos à caminhada.

Ciudad Vieja

Livraria , porque os livros me atraem

Na seqüência, temos a Plaza Matriz <ou Plaza de la constitución>, um quadrilátero com uma fonte ao centro e cercada de árvores que ficam peladas no outono. De frente fica a Catedral Metropolitana de Montevidéu, antiga Igreja Matriz, e que tem uma belíssima capela-mor, com um equilíbrio de cores e luzes que fiquei a contemplar por um tempo.

Ciudad Vieja

Linda capela-mor da Catedral Metropolitana de Montevidéu

Ao lado da Plaza Matriz, seguindo pela calle Ituzaingó, está o Café Brasileiro, muito recomendado por outros blogs, mas que no domingo fica fechado.

Após três quadras, ainda na Sarandí, entramos na loja esencia uruguai, um lugar pequeno e aconchegante, com um atendimento de uma fineza singular, e que tem produtos de primeira linha entre azeites (Colinas de Garzón), vinhos (Bouza ou Juanicó), chocolates, etc.

Ciudad Vieja

Ciudad Vieja e alguns grafites pelo caminho

A próxima parada, e principal atração de nosso passeio, é o mercado del puerto, que fica abarrotado de turistas que chegam de navios cruzeiros e tem um clima muito festivo. Este mercado é um dos ícones da cidade de Montevidéu e possui uma boa concentração de restaurantes, cada um com suas parrillas penduradas cheias de carne. A idéia sugestiva era almoçar ali e tomar um bom vinho.

Ciudad Vieja

Na fila do restaurante El Palenque

Ficamos na fila do restaurante El Palenque, o mais indicado, mas como a casa é grande, logo conseguimos uma mesa. Pedi um Asado de tiras, um corte habitual da região, que estava bom, mas nada excepcional, e harmonizei com o vinho Juan Carrau – tannat de reserva, que foi uma feliz escolha e indico alegremente.

Ciudad Vieja

Porque além dos livros, os vinhos também me atraem.

Dentro do Mercado del puerto está também localizada a Casa Roldós, criadora do vinho medio y medio, bebida singular do Uruguai, que combina em sua fórmula metade de vinho branco e a outra metade de espumante. É diferente, gostoso, suave e algo a se experimentar sem medo.Trouxe uma garrafa na bagagem e gostei, porque sugere a ideia de equilíbrio, que devemos buscar não apenas em nossas viagens, conhecendo coisas diferentes de um mesmo lugar, mas também como filosofia de vida, juntando todas as peças de forma construtiva e verdadeira.

Um mineiro que gosta de histórias, e acha que escrever e ler é o melhor passatempo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *