O Canal do Panamá e minhas aulas de geografia

 

O Canal do Panamá já despertava minha imaginação nos idos anos de adolescência quando, curioso, ouvia a professora de geografia falar sobre o canal que unia dois oceanos. Naquele tempo, misturado com as aventuras do cavalheiro inglês Phileas Fogg, de “A volta ao mundo em 80 dias“, de Júlio Verne, o canal se tornou um sonho distante de uma terra da qual eu não tinha qualquer referência.

O tempo passou e um mês atrás o avião da copa Airlines desceu no aeroporto de Tucumen. No mesmo dia eu fiz a visita ao Canal do Panamá, mais especificamente, à eclusa de Miraflores, que é um dos pontos de parada do ônibus turístico (Para saber mais, clique AQUI).

Entrada de Miraflores, a principal eclusa do Canal do Panamá.

Entendendo o Canal e sua história

 

Hoje o canal do Panamá possui uma extensão total de 77,1 Km e une o oceano atlântico ao oceano pacífico. Ao longo deste percurso foram construídas eclusas (engenharia hidráulica que permite a elevação dos navios) para superar o desnível entre o oceano (Pacífico e Atlântico) e o lago interno de Gatún. No início do século XIX os franceses tentaram construir o canal, mas não conseguiram, seja pelas dificuldades técnicas seja pelas milhares de mortes de trabalhadores causadas pelas doenças tropicais, Malária e Febre Amarela.

Os americanos retomaram o projeto em 1904 e fizeram a inauguração em 1914. As mortes causadas antes pelas doenças tropicais foram drasticamente reduzidas graças ao avanço da biologia e a identificação do agente transmissor, no caso, o mosquito. Assim, a construção do canal representa uma grande conquista da engenharia, um avanço para a expansão do comércio marítimo internacional e uma jogada de mestre do presidente americano Theodore Roosevelt. Seja como for, no início do século XX o Panamá ainda não existia (pertencia à Colômbia) e foi exatamente o apoio americano e a construção do canal que possibilitou a independência. Mas isso teve um preço, pois o Canal continuou sendo administrado pelos americanos até 1999, pagando-se um ‘aluguel’ para o governo do Panamá.

Eclusa de Miraflores, sentido pacífico (Cidade do Panamá).

Miraflores é a eclusa mais famosa e  está inserida no roteiro turístico de quem viaja para a Cidade do Panamá. Conhecer a eclusa de Miraflores, símbolo do canal, é um passeio imperdível e custa 15 dólares e te faz ter contato com história, geografia, engenharia e física. É bem interessante saber que navios do mundo inteiro passa por ali evitando o contorno ao sul pelo terrível Cabo Horn, na passagem de Drake, homenagem ao corsário Inglês Francis Drake, que fez a segunda viagem de circunavegação.

Eclusa de Miraflores e o desnível de 16 metros.

A eclusa de Miraflores possui um mirante e arquibancada para que o visitante acompanhe a passagem dos navios. Eles passam lentamente, ‘rebocados’ por duas balsas ou pelas locomotivas dispostas nas laterais do canal. O tempo médio que leva para a passagem da embarcação é de aproximadamente umas quatro horas. Para não perder muito tempo, o jeito é torcer para dar sorte e chegar no momento em que um navio esteja passando. Pegamos uma travessia já na metade (sentido pacífico – Cidade do Panamá – para Oceano Atlântico).

É possível, ainda, fazer um cruzeiro pelo canal para um passeio de 6 horas que se estende entranhas a dentro do canal, passando por duas eclusas: Miraflores e Pedro Miguel. Para saber mais clique AQUI.

Hoje, mais de 14.000 navios passam pelo Canal do Panamá anualmente e representam uma importante fonte de divisas para o país. A Sociedade Americana de Engenheiros Civis classificou o Canal do Panamá como uma das 7 maravilhas do mundo moderno. Não seria exagero dizer que, através do canal nasceu o Panamá, um país interessante, com forte influência americana e um jeito tropical (faz muito calor). Segundo li, foi após a visita do presidente americano Theodore Roosevelt ao Panamá para a inauguração do Canal que, ao usar o chapéu branco com fita preta, fez com que este ficasse famoso como Chapéu Panamá, embora seja produzido no Equador.

Todos os caminhos levam a:

Canal do Panamá

Onde: próximo à Cidade do Panamá, é de fácil acesso, seja por taxi ou o ônibus turístico.

Quando: das 9h às 17h.

Quanto: 15 dólares a entrada.

Um mineiro que gosta de histórias, e acha que escrever e ler é o melhor passatempo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *